Que tipo de empresa precisa de um gestor de produtos?

Quando pensamos na função de gestão de produtos, sempre imaginamos essa função sendo exercida em uma empresa que tem por negócio principal um software que é oferecido via internet. Contudo, na minha opinião, esse não é o único tipo de empresa que se beneficia em ter um ou mais gestores de produto para ajudar no processo de desenvolvimento de software. Existem outros 3 tipos de empresa que podem, e devem, se beneficiar com o trabalho de um gestor de produtos.

Empresas que desenvolvem software não online

Ainda existe muito software que não é online, que precisa ser instalado em um computador para ser executado localmente ou acessando dados de um servidor (cliente servidor). Mesmo com o forte crescimento de aplicações SaaS dos mais variados tipos, tais como ERP, CRM, BI, Supply Chain Management entre outros, ainda existe muito softwares dessas e de outras categorias que não são online, ou seja, que são executados no computador local ou em rede no modelo cliente servidor, conhecido como software on-premises, em oposição ao software online.

on-premises

Esse tipo de software não vai deixar de existir tão cedo, quer seja por necessidades técnicas ou por questões de política de uso. Não é incomum encontrar empresas que poderiam usar um software online mas que, por política da empresa sobre segurança e privacidade da informação, queiram manter esses dados e o software que o gerencia dentro da empresa. No futuro é muito provável que as políticas de uso e os receios das empresas irão abrandar ao ponto de nenhuma empresa mais querer ter software instalado por questões de segurança, da mesma forma que hoje é bastante raro encontrar empresas ou pessoas que gerem sua própria energia elétrica. Contudo, sempre haverá quem opte por ter software instalado por alguma razão específica, apesar do custo que isso possa representar.

Por outro lado, questões técnicas podem inviabilizar a possibilidade de usar um software online. Basta imaginar situações em que não é possível estar online como, por exemplo, em um avião ou um barco sem conectividade. Aqui também é possível imaginar um futuro onde a conectividade será boa e universal, mas mesmo assim pode haver situações em que rodar o software localmente faça mais sentido.

Ou seja, mesmo que exista esse movimento em direção ao software online, ainda existirá software on-premises por muito tempo. E software on-premises, da mesma forma que software online, é software que tem que atender as necessidades do dono desse software ao mesmo que tem que atender as necessidades dos usuários desse software.

Por esse motivo, empresas que desenvolvem software não online devem também gestores de produto de software ter em sua equipe de desenvolvimento de software.

Empresas que não têm desenvolvimento de software como sua atividade principal

Muitas empresas não tem software como seu negócio principal. Alguns exemplos na imagem abaixo.

software-non-core

Contudo, a maioria é usuária de software. Tem computadores e sistemas internos para auxiliar nos mais variados processos da empresa. A medida que a familiaridade e a utilidade da dos computadores e sistemas se comprova, é comum ver essas empresas começando a pensar em ter um ou mais softwares para ajudar na interação com seus clientes. Nos exemplos da imagem acima, Fleury tem um sistema de resultados online, Ipiranga tem um programa de fidelidade, Magazine Luiza tem forte presença online com ecommerce e o Colégio Santo Américo, assim como vários colégios, têm sistema de educação à distância para passar lição de casa para os alunos e para se comunicar com os pais dos alunos.

Mesmo esses softwares não sendo seu core business, esses software fazem parte da estratégia dessas empresas e, por esse motivo, devem ser gerenciados por alguém que tenha conhecimento de gestão de produto de software, para garantir que esse software atenda tanto os objetivos do dono do software quanto dos usuários desse software.

Empresas que desenvolvem software sob demanda

As melhores empresas que desenvolvem software sob demanda estão sempre na fronteira no que se refere a desenvolvimento de software. Usam novas tecnologias, novas linguagens de programação, bancos de dados, arquiteturas. Propõem novas formas de se fazer software, as metodologias ágeis, Scrum, Kanban, Lean. Aliás, das metodologias ágeis vem o termo Product Owner, responsável por construir o backlog, priorizando o trabalho a ser feito de acordo com as demandas do cliente. Ou seja, as empresas que desenvolvem software sob demandam sabem da importância de ter um gestor de produto no time que desenvolve software. Tanto que usam essa função tanto nos seus produtos, quanto nos softwares que fazem sob demanda.

soft-dev-companies

Contudo, normalmente as empresas que fazem software sob demanda assumem que seu cliente sabe gerenciar um software e apenas atende suas demandas e requisitos. Faz reuniões com seu cliente perguntando o que ele quer, o que ele espera do software, coleta os requisitos, os prioriza de comum acordo com o cliente, e começa a desenvolver o software. Uma boa empresa que desenvolve software sob demanda vai procurar fazer entregas frequentes para que o seu cliente possa não só ver o progresso como validar o que está sendo entregue.

O problema é que o seu cliente não sabe gerenciar um software! Se esse for o primeiro software desse cliente, será ainda pior! Ele sabe gerenciar o negócio dele, pode até saber contratar software pronto, mas ele não tem a mínima ideia do que é ser dono de um software. De que o software é algo bastante flexível que deve se adaptar para atender os objetivos da empresa e dos usuários do software. Isso tudo é novidade para ele.

Por este motivo, as empresas que desenvolvem software sob demanda têm a obrigação de, no pacote de desenvolvimento desse software, incluir algum tipo de treinamento ou aconselhamento para preparar seu cliente para gerenciar seu software. Só assim essas empresas poderão aumentar as chances de o software que está sendo desenvolvido sob demanda atenda os objetivos do seu cliente e dos usuários do seu cliente.

Resumindo

Resumindo, na minha opinião, toda empresa que é dona de um software ou que desenvolve software para si ou para outras empresas deve ter um ou mais gestores de produto de software em seu time. Isso aumentará bastante as chances desse software ter sucesso, ou seja, atender os objetivos tanto do dono do software quanto dos usuários desse software.

E, tb na minha opinião, as empresas que desenvolvem software sob demanda tem ainda mais uma obrigação nesse ciclo de desenvolvimento de software: ensinar seus clientes sobre gestão de produtos de software, da importância dessa função no sucesso do software e o que é necessário para fazer uma boa gestão de produtos de software.

1 thought on “Que tipo de empresa precisa de um gestor de produtos?

  1. Excelentes dicas! Vou compartilhar este artigo com meus clientes e futuros parceiros! Abraços !

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *